sábado, 10 de fevereiro de 2018

Como o ensino será influenciado pela tecnologia?

Faz alguns dias que iniciei uma série de questionamentos, com diversos profissionais de áreas distintas sobre a influencia da tecnologia no ensino. Surgiram várias opiniões e previsões, desde as mais conservadoras, acreditando que pouca coisa vai mudar até algumas que descaracterizam totalmente o formato do ensino como conhecemos hoje.


Vale lembrar que estamos tratando do ensino médio. É no ensino médio que o jovem é direcionado para a área do conhecimento que mais lhe interessa e é no ensino médio que o jovem deve ser apresentado as profissões que serão ofertadas quando esse jovem sair do ensino médio e faculdade.

Certo, e o kiko?

Ocorre que, eu, assim como outras pessoas, acreditam que o ensino na forma como ele conduzido hoje nas escolas, tende a limitar a visão dos futuros profissionais, visto que as profissões do futuro, deveriam ser apresentadas aos seus profissionais, agora, no presente.
Não estou dizendo que temos de parar de ir para a escola e focar apenas em tecnologia. Não, pelo contrário. A Escola precisa reduzir ou eliminar conteúdo que não tenha relação direta ou indireta com as profissões do futuro. Um exemplo que me ocorreu são os conteúdos que sofrem impacto direto com o passar do tempo, como em geografia, quantidade populacional por região (nossa, tive que fazer um trabalho seguido de pesquisas na escola, não lembro absolutamente nada dessa pesquisa, mas caso eu necessite, a wikipedia pode me ajudar).



Mas e o que a maioria pensa?

Os argumentos de diversos colegas, principalmente de profissões que não possuem relação direta com tecnologia, é que muitas das disciplinas que aprendemos na escola, são bases para estimular nossa curiosidade e facilitar a escolha da profissão no futuro.
Aprendizagem de máquina, Internet das coisas, Desenvolvimento de software, Cientista de dados e outras, são exemplos de profissões do momento e eu sinceramente não me recordo de ter sido estimulado para se quer conhecer qualquer uma dessas opções!



Porque eu acredito estar certo?

A relação entre minha profissão atual e o que aprendi na escola (vale reforçar que de todas as disciplinas, matemática era a que eu mais detestava e fui parar em exatas) e praticamente inexistente. Ah, e eu detestava matemática porquê me foi apresentado Teorema de Pitágoras, Fórmula de bhaskara, Trigonometria, etc...
A soma dos quadrados dos catetos é igual a hipotenusa... e eu só sei disso por causa da música "Uma Arlinda mulher" dos mamonas assassinas, nem pra isso a matemática no ensino médio me foi útil (Os pedagogos defensores dos métodos lúdicos vão a loucura com essa analogia rsrs).
Não estou afirmando que o conteúdo matemático exemplificado acima, não é aplicável a alguma profissão, talvez um físico nuclear ache isso útil. Porém, se compararmos físicos nucleares e desenvolvedores de aplicativo móvel (por exemplo), qual desses existe maior empregabilidade hoje?
Ou seja, não é para eliminar tudo, mas alterar conteúdos que possivelmente (e depois explico o possivelmente), farão parte da realidade dos profissionais dentro de 10 ou 15 anos.

Por outro lado, existe uma variável que é quase impossível prever, que é o fator inovação. Não podemos prever o que alguém vai inventar amanhã e se essa invenção vai ou não modificar tudo que fazemos (por isso eu disse possivelmente no parágrafo acima). Mas se isso ocorrer, acredito que é nossa obrigação, dos governantes e dos profissionais da educação em responderem rapidamente as mudanças para não jogarem verdadeiros vegetais dentro das faculdades e torcer que eles se identifiquem com algo dentro do mercado de trabalho.

Não é skynet

Existem alguns indícios claros de mudanças que poderiam e deveriam ser imediatamente aplicados no ensino escolar (eu voto colocar qualquer outra coisa no lugar da Fórmula de bhaskara).

- Uber está investindo em carro autônomo para acabar com o maior problema do Uber hoje (o motorista). Imagina como ficaria mais barato usar apenas o Uber do que usar um carro ou até mesmo o transporte público e imagina quantas profissões seriam impactadas com isso. E profissões se fortalecem com essas iniciativas, como Big data, machine learning, IA, IOT, Cloud computing.

- IBM Watson é um sistema capaz de processar o equivalente a 1 milhão de livros por segundo. Não teremos de nos preocupar em pesquisar respostas, os computadores farão isso para nós. O Filme WALL·E é uma animação da Pixar, que trata um pouco desse assunto. Um computador capaz de responder a informações tão rapidamente, com base em instruções catalogadas? O que vai acontecer com advogados, por exemplo? E ciências de dados, programadores, engenheiros e arquitetos de software...?

- Existem empresas startups que hoje trabalham com mineração de informação, buscando o gosto e desejo das pessoas com base na experiência e na intenção delas (sim, apenas de ler um artigo qualquer ou o tempo que você fica dentro de uma página web hoje, já é informação o suficiente para que as empresas consigam lhe oferecer um produto com maiores garantias de sucesso na venda). Sem contar os e-commerces. Se hoje está assim, imagina dentro de 10 anos, como ficam os vendedores? Aqui também cabem diversos programadores (aliais, faltam programadores), arquitetos, Sys admins.

- O Google e outras ferramentas já nos dão informações mais do que suficiente para definirmos se queremos ou não ir a algum lugar. Eu mesmo já deixei de ir em restaurantes, oficinas mecânicas, bares ou pousadas apenas por consultar o que essas ferramentas me oferecem. E o que vai acontecer com todas as pessoas e profissões impactadas por toda essa facilidade? Programadores, programadores e mais programadores, cientistas de dados, BI, Big Data, engenheiro de dados, entre outras...


Então, todo mundo tem que ir para TI?

É certo que TI está abrindo uma gama enorme de possibilidades, hoje muitos profissionais dessa área podem se dar ao luxo de escolher onde querem trabalhar, escolher salários e até mesmo regalias. Mas TI também está se modificando. Porém, como TI trata diretamente tecnologia e inovação, a resposta aos impactos dentro dessa área, é quase que instantâneo (e se você conhece alguém te TI que está com dificuldades no mercado de trabalho, saiba que essa pessoa ainda não percebeu que a faculdade é o menor influenciador dentro dessa área - TEM QUE ESTUDAR TODO DIA). Mas se você não gosta de TI, procure analisar com base na necessidade. Por exemplo, as pessoas estão adquirindo mais informações, conhecendo, mesmo que de longe, novas culturas, então a culinária pode pegar um atalho apresentando sabores de outras culturas para que pessoas possam se aproximar dos sabores dessas culturas.
Outra gama de profissões que podem vir a gerar muito dinheiro, são aqueles que lidam com o lixo. O lixo produzido é cada vez maior, precisamos de ideias, empresas, projetos e profissionais que transformem esse lixo ao invés de despeja-lo no meio ambiente.
A saúde tem se tornado um fator de grande preocupação. Estamos cada vez mais expostos a diversos agrotóxicos, conservantes, gorduras, etc..., então as doenças estão cada vez mais presente e os profissionais da saúde, estão com a bola toda, tanto os profissionais que atuam na prevenção, como os médicos que atuam nas enfermidades. Apesar que esse último em pouco tempo terá uma maior relação com TI, computadores e aplicativos dando diagnósticos já é uma realidade.
Tem diversas outras profissões que estão sofrendo mutações e TI está impactando e ditando o rumo dessas, como profissões que não possuem impacto direto da tecnologia e profissões que estão prestes a acabar (sério, pense bem se pretende estudar direito).



Conclusão

Minha percepção não é do fim dos tempos, apenas acredito que muitos dos conteúdos que apresentamos hoje nas escolas, não será útil na maioria das profissões em que os futuros profissionais serão apresentados.